blog-post-image

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Sendo uma das atividades de maior responsabilidade da enfermagem, a administração de medicamentos constitui fator de grande relevância dentro do processo de prevenção e cura. 

A administração de medicamentos é uma prática feita nas instituições hospitalares sob a responsabilidade da equipe de enfermagem. Essa prática deve ser considerada por todos os profissionais de saúde como apenas uma das etapas do processo de medicação.

Esta responsabilidade delegada à enfermagem não se atém apenas aos procedimentos técnicos e básicos. É necessário que haja também a identificação dos caminhos percorridos pelo medicamento desde o instante que foi prescrito pelo médico, até que seja administrado no paciente. É preciso também realizar uma análise crítica do sistema de medicação, para possibilitar uma reflexão sobre possíveis falhas e causas.

A equipe de enfermagem é parte de uma importante ferramenta no alcance de segurança do sistema, procurando solucionar problemas existentes nesta prática.

A competência no momento de administrar medicamentos é uma das principais habilidades que o profissional de enfermagem pode levar ao leito do paciente. Muitos profissionais de enfermagem consideram como sendo a razão de seu sucesso a administração segura e efetiva dos medicamentos.

Todos que participam do serviço precisam compreender o quão importante é a organização das rotinas de administração de medicamentos. Dessa maneira, diversas técnicas serão adotadas para garantir a precisão na preparação, distribuição e anotação dos medicamentos.

É fundamental que para oferecer os medicamentos com exatidão, o profissional possua conhecimento técnico, habilidade, dedicação, atenção e constante processo de reciclagem.

 

Medicamento consiste em toda substância que, quando introduzida no organismo humano, preenche uma das seguintes finalidades:

. Preventiva ou profilática: para evitar o surgimento de doenças ou minimizar a gravidade das mesmas

. Diagnóstica: Não apenas ajuda o médico a decidir a causa da sintomatologia apresentada pelo paciente, como também identifica a área exata atingida pela doença

. Terapêutica: Utilizada no tratamento de doenças.

 

Há grande diversidade de substâncias químicas cujas ações terapêuticas mais comuns são: 

. Curativa ou específica: quando há a remoção do agente causador das doenças. Ex.: antibiótico antimalárico

. Paliativa ou sintomática: quando alivia certos sinais de uma doença, destacando-se entre eles a dor. Ex.: analgésico

. Substitutiva: quando substitui outra substância comumente localizada no organismo, porém, por um desequilíbrio orgânico encontra-se em quantidade insuficiente ou mesmo ausente. Ex.: insulina.

 

Conceitos

. Droga: substância ou matéria prima com finalidade medicamentosa ou sanitária

. Medicamento: produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico

. Medicamento prescrito: substância que pode ser utilizada de maneira segura somente sob supervisão de um profissional de saúde licenciado para prescrever ou ministrar medicamentos conforme as leis federais

. Medicamento sem prescrição: substância que pode ser utilizada seguramente pelos consumidores sem que seja necessária a supervisão de um profissional de saúde licenciado

. Medicamento controlado: substância controlada por leis federais, estaduais e municipais por seu uso ser capaz de levar à dependência

. Insumo farmacêutico: droga ou matéria-prima aditiva ou complementar de qualquer natureza, destinada ao emprego em medicamentos e seus recipientes

. Correlato: substância, produto, aparelho ou acessório que não se enquadra nos conceitos anteriores, cujo uso ou aplicação tenha relação com a defesa e proteção da saúde individual ou coletiva, à higiene pessoal ou de ambientes, etc

. Dispensação: fornecimento ao consumidor de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, sendo remunerado ou não

. Denominação Comum Brasileira (DCB): denominação do fármaco ou princípio farmacologicamente ativo aprovada pelo órgão federal responsável pela vigilância sanitária

. Denominação Comum Internacional (DCI): denominação do fármaco ou princípio farmacologicamente ativo recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

Quando o assunto é saúde, confie nos profissionais especializados da Medic Life!